Escolhemos o caminho da luta ao da conciliação (vladimir llyitch uliánov lenin)

domingo, 2 de outubro de 2011

O COMANDO VERDE


Símbolo do Comando
Verde

ENTRE A INTENÇÃO E O GESTO



    A despeito do que propaga as estatísticas, a pobreza aumenta entre os Brasileiros. Basta olhar em volta nas grandes metrópoles. A inflação galopante corroí o salário mímino. Ganhar mil reais, como grande parte dos Bresileiros, não significa mais nada. o DIEESE afirma que o salário deve ser pautado na órbita de R$ 2.293,31. Mas a burguesia insiste em R$ 545,00. Assim podemos resumir,  que os apelos técnicos de pouco valem, diante dos apelos do capital em busca de maiores lucros, sob a égide da exploração humana.
    Nesse norte, se propaga as grande favelas chamadas gentilmente de comunidades. No seio delas, os grupos do lumpemproletário, se organizam em comandos, sejam eles Vermelhos, Terceiros, Ada, Primeiro Comando e outros.
    Não há nada de espantoso nisso, como disse Karl Marx: “Uma acumulação de riqueza em um pólo da sociedade indica a acumulação de miséria e trabalho no outro.” A medida que o Estado oprime com politicas de repressão, o lado da miséria e trabalho, as organizações reprimem o Estado, em sua tentativa de querer convencer com discurso, o  inconvensivel.
    O fato é que o trabalhador não tem muita escolha, de um lado o Estado opressor, do outro, as organizações armadas. Ambas são ruim para uma sociedade livre. No entanto, o proletariado em sua consciência, sabe distinguir em certo nível, o mal maior. O exemplo disso, está na comunidade do Alemão no Rio de Janeiro.
    O projeto de pacificação do Estado Burguês, na gerência de Sérgio Cabral, envolve nada mais que as forças armadas. Esta instituição voltada para a repressão, e com um passado nada glorioso, pautado na tortura, sequestro, e morte de trabalhadores ao longo da história, volta ao cenário sedenta de horrores; e recebe a resposta dos oprimidos em forma de faixas e protestos. Utilizar a força para "pacificar", em detrimento da dialética, da concessão de uma liberdade substantiva, é no mínimo um erro histórico e uma arrogância política.
    As faixas expostas na comunidade por populares revelam essa consciência: "governador trocou seis por meia dúzia. A ditadura continua.", "O povo do Alemão é humilhado pelo Exército. Sai o Comando Vermelho, entra o Comando Verde."

Genral Leme Justo
Chefe do Comando Verde

     O Chefe do então intitulado Comando Verde, General Leme Justo, afirmou que o policiamento continua reforçado, mas somente as pessoas de "comportamento suspeito" estão sendo revistadas. "Não podemos fazer a revista durante todo o tempo, senão a comunidade não circula. Vai interferir no direito de ir e vir das pessoas. Por isso, essas operações são eventuais". Belo discurso.
    O fato, respeitável  General, é que existe um abismo profundo entre a intenção e o gesto.