Escolhemos o caminho da luta ao da conciliação (vladimir llyitch uliánov lenin)

quinta-feira, 30 de junho de 2011

O CODIGO DA DESONRRA


Aldo Rabelo do PCdoB
Relator do Código da
Desonrra
O QUE DESEJA A ESQUERDA

   Eu andava por Copacabana certa tarde, quando me aproximei de duas moças que discutiam filosofia. Me chamou atenção quando uma delas se expressou da seguinte maneira: Eu não sou comunista! Eu não quero e nem pretendo a revolução. Eu quero Evolução! Apesar da ingenuidade do pensamento, a expressão me levou a algumas considerações.
   A evolução é fator preponderante para a sobrevivência da humanidade. O problema é definir o que é a evolução, os seus efeitos desde o ponto de partida, e a partir de onde ela se origina. Para isso não custa nada lembrar o que diz o livro da mitologia Judaico Cristã, a Bíblia, quando da indicação Mateus 7:16, "Por seus frutos os conhecereis. Porventura colhem-se uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos? Expressão interessante. A Uva é doce  delicada; o Espinheiro é rude,  indigesto. Assim é a dialética histórica. Vamos imaginar que as Uvas seriam na dialética histórica, o Socialismo. Os Espinheiros, o Capitalismo. Os homens que compõem esse processo dialético, podem optar por revolucionar destruindo os Espinheiros (capitalismo) e plantando Uvas,(socialismo) e a partir dai, promover a evolução do processo com enxertos e mudanças para que em sua evolução as uvas fiquem cada vez mais doce e agradável. Pode também, optar pela evolução a partir do espinheiro, (capitalismo) e não terão nada mais que espinhos. Maiores, menores, pontudos ou não, mas ainda serão espinhos.
   Após tantos anos de luta, a esquerda ainda não aprendeu que o processo de evolução na atualidade, é a partir do espinheiro. E ela, a esquerda, participa desse processo ingenuamente, produzindo espinhos, direta ou indiretamente, e de toda espécie. Ao aceitar a luta nos moldes do atual sistema, ela aceita tudo o que o evolucionismo, a partir do espinheiro propõe, inclusive o novo código florestal. Ela está inserida dentro dele, e nada poderá fazer para evita-lo. A justiça, o congresso, e o executivo , pertencem a burguesia (são frutos do processo da evolução sistêmica do espinheiro) e eles podem fazer o que desejarem. O espinhal sistêmico  pertence a eles e existe para eles.
   Para construir um novo código florestal honrado, digno da beleza e candura de uma videira, (socialismo) é preciso queimar um pouco mais de árvores, - dessa vez seriam os espinheiros- e colocar um fim ao sistema(capitalismo). E como se promove esse fim? Primeiro precisamos entender o seu começo e o que o sustenta. O poder de fato não está nos cargos eletivos do processo burguês, ele é apenas um mecanismo de gerenciamento  O poder está nas armas que a burguesia possui e que a sustenta. Foram as armas que regaram os espinheiros com o sangue derramado do proletário. Não será com criticas que se destruirá o espinheiro e se constituirá uma videira. Nos esquecemos da lição do imortal líder chinês Mao Tsé Tung? "A arma da critica não suplanta a crítica das armas". Foi dessa forma, pelo poder das armas que a burguesia instituiu e mantém o poder, e só através das armas ela o perderá.
Não se colhe Uvas de Espinheiros
   Em vez da esquerda ficar de blá blá blá até ser silenciada com a aprovação do novo projeto, com irrelevantes mudanças, deveria fazer uma auto-critica e partir para a ação. A evolução partindo da miséria e destruição dos recursos naturais, que o espinheiro promove, só nos levará a mais miséria e destruição. 
   Os iluministas e humanistas já não se contentam mais com a ira e a indignação dos discursos inflamados, e exigem da esquerda uma revolta.

sábado, 25 de junho de 2011

A ERVA DO CAPIROTO

videoQUEM É O BENEFICIADO

   Cannabis Sativa, carinhosamente chamada de Marijuana, Maconha, D2, Erva do Capiroto..., pode ser inalada, usada como Baseado, Cachimbo ou Narguilé além de outras engenhocas. O fato é que bilhões de quilos dessa erva é cultivada e colhida anualmente no mundo.
    Não quero ser hipócrita fazendo uma crítica descabida ao uso milenar desse alucinógeno, como fazem a sociedade pequeno burguesa. Também não posso me da ao luxo de apologizar seu uso, até porque não são os danos físicos que ela supostamente traz, pois dentre as onze drogas prejudiciais usadas no mundo, a maconha está em 11ª colocação, em danos a saúde.
     Faço apenas uma consideração, trazendo a luz uma pergunta do grande Lenine: A Quem Beneficia? Ao jovem usuário ou ao adulto que faz uso da erva por rebeldia, por ser proibida, por fuga, ou por prazer? Enfim, parece que o único beneficiado é o sistema capitalista. O sistema que exclui o próprio consumidor, seja por repressão ou por discriminação.
    O sistema se alimenta anualmente de quinhentos bilhões de dólares em todo o mundo, que vão parar em campanhas políticas, empresas privadas e bolsas de valores. Além de desorientar o norte revolucionário da juventude, vendendo uma imagem de liberdade em detrimento da formação ideológica; afastando-os da luta política, escondendo à sociedade de seus reais problemas, que é a exploração humana pelo sistema vigente. Para afastar os jovens da luta ideológica, o sistema conta com a contribuição da imprensa paga.
    Acredito que a transformação da sociedade não vai chegar com a liberação da maconha, e depois, da cocaína. A realidade objetiva dos usuários tende a piorar com o uso, além dos problemas econômicos que já são um transtorno.
     Em vez da luta pela liberação, talvez o caminho fosse o da construção de uma consciência revolucionária mais apurada, que foi perdida com o tempo. Que pudesse levar a criação de instrumentos Sociopolíticos transformadores, que levassem a mudança dessa medíocre realidade cotidiana em que vive a juventude. Educação de baixa qualidade, falta de universidades, falta de saúde, moradia e trabalho. Falta de dignidade humana.
   A Maconha e as outras drogas, são apenas um instrumento de opressão disfarçados de bandeiras libertárias, consentidos pelo estado burguês. Sua liberação não depende de questões de saúde pública ou preocupação com a vida humana, ela atende unicamente ao principio econômico de quem vai ter lucro.
     Por certo, liberada ou não, não será o proletário o beneficiado.





sábado, 18 de junho de 2011

A FÉ DA PURPURINA


A cartilha que abalou a Igreja
A IGREJA E A CARTILHA
   Quando eu era criança, as cartilhas tinham uma grande influência para mim. Eu particularmente ficava vidrado com aquelas que eu podia colorir, e as vezes até pintar com tinta guache. Esse modelo didático, simples e objetivo, deve de fato estar sempre presente na vida do educando.
   Claro que há algumas cartilhas que provocam algum rebuliço, nesse caso, a cartilha GAY, ou O CADERNO DAS COISAS IMPORTANTES. A cartilha deveria ser distribuída junto com um DVD contra a homofobia, nas escolas; mas não foi. O fundamentalismo cristão não permitiu.
   Fico imaginando porque alguns grupos da sociedade se fazem senhores do pensamento e da idéia. Eles chegam até mesmo a acreditar que possuem aval divino para vetar e regular o pensamento. E por outro lado se arrogam senhores da liberdade de expressão, quando a liberdade atende aos seus interesses, lógico.
   Eu li o "caderno das coisas importantes", ele em si não apresenta nenhuma ofensa à sociedade. É verdade que não havia necessidade de um filhinho mostrando o inicio de uma relação homossexual, até porque os jovens de hoje já sabem perfeitamente como isso se inicia, talvez tenha sido um pouco de exagero. Ele deveria se deter aos princípios de liberdade de conduta, na escolha da opção sexual ou na orientação sexual como prefere alguns, e até mesmo na identidade de gênero como prefere outros. Lenine afirmava que o homo-sexualismo é um desvio ideológico da pequena burguesia. Bom, opiniões à parte, o processo educativo deveria apenas seguir a orientação, de que o diferente é normal.
   A polêmica gerada foi tão grande que fiquei espantado com a reação. Houve até uma marcha bem parecida com a Marcha da Família com Deus pela Liberdade. Prefiro nem relembrar o que isso significou nas vésperas do golpe de 64. - Deus que nos livre de outra! - No passado os comunistas eram o motivo que a burguesia precisava para "lutar pela liberdade e democracia", agora são os homo-sexuais, e coincidências a parte, figuras da ditadura também estavam presentes na manifestação.
    A grande bandeira da democracia burguesa contra a democracia popular, sempre foi a alegada liberdade de conduta. Agora essa liberdade está sendo posta em cheque. Isso acontece, sempre que a fase superior da democracia burguesa se estabelece enquanto seu Status Quo. Ela avança, se estrutura, se supera, passando de democracia para fascismo reacionário.
A Igreja em conflito. 
Liberdade e doutrina
    A promiscua relação entre a Igreja e o governo, se faz presente em um estado nada laico, no estabelecimento de conceitos superados, como a "família instituída por Deus". Ora, esse modelo de família já está sendo abolido pela sociedade. Hoje temos famílias com apenas um pai, com apenas uma mãe e famílias homo afetivas, e modelos em que nem mesmo conhecemos.
   Se houve um equivoco na idéia da cartilha, foi na faixa etária sugerida para a distribuição, o que eu também concordo; era só reavaliar e subir para a faixa etária em os jovens que já estão iniciando sua vida sexual,  que é um média dos doze anos em diante. No mais, acredito que a cartilha até que foi uma boa ideia didática.
      Em nossa avaliação, só faltou um pouco de purpurina para dar mais brilho celeste a ideia.