Escolhemos o caminho da luta ao da conciliação (vladimir llyitch uliánov lenin)

sábado, 18 de junho de 2011

A FÉ DA PURPURINA


A cartilha que abalou a Igreja
A IGREJA E A CARTILHA
   Quando eu era criança, as cartilhas tinham uma grande influência para mim. Eu particularmente ficava vidrado com aquelas que eu podia colorir, e as vezes até pintar com tinta guache. Esse modelo didático, simples e objetivo, deve de fato estar sempre presente na vida do educando.
   Claro que há algumas cartilhas que provocam algum rebuliço, nesse caso, a cartilha GAY, ou O CADERNO DAS COISAS IMPORTANTES. A cartilha deveria ser distribuída junto com um DVD contra a homofobia, nas escolas; mas não foi. O fundamentalismo cristão não permitiu.
   Fico imaginando porque alguns grupos da sociedade se fazem senhores do pensamento e da idéia. Eles chegam até mesmo a acreditar que possuem aval divino para vetar e regular o pensamento. E por outro lado se arrogam senhores da liberdade de expressão, quando a liberdade atende aos seus interesses, lógico.
   Eu li o "caderno das coisas importantes", ele em si não apresenta nenhuma ofensa à sociedade. É verdade que não havia necessidade de um filhinho mostrando o inicio de uma relação homossexual, até porque os jovens de hoje já sabem perfeitamente como isso se inicia, talvez tenha sido um pouco de exagero. Ele deveria se deter aos princípios de liberdade de conduta, na escolha da opção sexual ou na orientação sexual como prefere alguns, e até mesmo na identidade de gênero como prefere outros. Lenine afirmava que o homo-sexualismo é um desvio ideológico da pequena burguesia. Bom, opiniões à parte, o processo educativo deveria apenas seguir a orientação, de que o diferente é normal.
   A polêmica gerada foi tão grande que fiquei espantado com a reação. Houve até uma marcha bem parecida com a Marcha da Família com Deus pela Liberdade. Prefiro nem relembrar o que isso significou nas vésperas do golpe de 64. - Deus que nos livre de outra! - No passado os comunistas eram o motivo que a burguesia precisava para "lutar pela liberdade e democracia", agora são os homo-sexuais, e coincidências a parte, figuras da ditadura também estavam presentes na manifestação.
    A grande bandeira da democracia burguesa contra a democracia popular, sempre foi a alegada liberdade de conduta. Agora essa liberdade está sendo posta em cheque. Isso acontece, sempre que a fase superior da democracia burguesa se estabelece enquanto seu Status Quo. Ela avança, se estrutura, se supera, passando de democracia para fascismo reacionário.
A Igreja em conflito. 
Liberdade e doutrina
    A promiscua relação entre a Igreja e o governo, se faz presente em um estado nada laico, no estabelecimento de conceitos superados, como a "família instituída por Deus". Ora, esse modelo de família já está sendo abolido pela sociedade. Hoje temos famílias com apenas um pai, com apenas uma mãe e famílias homo afetivas, e modelos em que nem mesmo conhecemos.
   Se houve um equivoco na idéia da cartilha, foi na faixa etária sugerida para a distribuição, o que eu também concordo; era só reavaliar e subir para a faixa etária em os jovens que já estão iniciando sua vida sexual,  que é um média dos doze anos em diante. No mais, acredito que a cartilha até que foi uma boa ideia didática.
      Em nossa avaliação, só faltou um pouco de purpurina para dar mais brilho celeste a ideia.