Escolhemos o caminho da luta ao da conciliação (vladimir llyitch uliánov lenin)

quarta-feira, 29 de abril de 2015

PRINCÍPIOS OPERANTES DA REVOLUÇÃO BRASILEIRA -TOMO VII -

"A morte de uma organização acontece quando os de baixo já não querem e os de cima já não podem"(lênin)

DA CONSTRUÇÃO  DE ESTRUTURAS

O princípio da organização é fundamental para a construção de uma estrutura revolucionária, que tem como proposta  se contrapor à estrutura burguesa. Os anarquistas normalmente propõem a organização oriunda do movimento espiritual espontaneísta das massas; no entanto, a história mostra que esse modelo oriundo da necessidade objetiva dos oprimidos, tem suas limitações, ao trilhar o caminho elevado, até o pico do monte revolucionário.

Entendemos claramente a necessidade de olharmos para o passado, a fim de compreendermos o presente e prepararmos o futuro. Neste norte, Lênin foi o Aio ideológico do princípio organizacional das massas. Ele propôs com sucesso o modelo de organizações, como organismos revolucionários, para construção de estruturas financeiras e de formação política. 

Trilhando este caminho, e entendendo a necessidade da construção de uma superestrutura revolucionária, vimos a necessidade do primeiro passo adiante, com a inauguração de uma organização que possa representar os anseios de uma sociedade oprimida e temerosa, de um Estado policialesco com adornos de democracia.

A inauguração da Associação Campesina Vladímir Lênin, no distrito do Rio Pardo, Porto Velho, Rondônia; se constitui em sua forma orgânica, em uma instituição de cunho popular, a fim de suprir as necessidades espirituais e ideológica, da massa campesina e proletária da região. Entendemos que a luta ideológica, enfrenta dificuldades dentro dos organismos alienatórios do sistema, primeiro pelo monopólio das estruturas que circundam o Estado, como a Igreja, a Imprensa e a Escola. Eles precisam ser combatidos com o bom combate da verdade e a massificação da ideia, através de constantes documentos esclarecedores de suave cunho linguístico, e com ideias revolucionárias.

O segundo entrave está no seio corrompido do idealismo pequeno-burguese. Talvez esta seja uma das mais importantes barreiras a serem rompidas com fortes ondas; oriundas do mar aquecido pela chama ardente do fogo revolucionário. Esta classe social que constrói entraves obscurantistas, é a principal responsável pelo andar atartarugado da construção de uma estrutura revolucionária. Em seus sonhos idealistas de poder, e com suas deias corrompidas, ela tropeça em seu divisionismo egoísta e crucifica o seu próprio messias.

O terceiro e não menos importante entrave na região é o medo. O Estado repressor agiu recentemente com violência sobre a comunidade local. Foram efetuadas prisões arbitrárias, dentre as quais ainda permanecem trabalhadores encarcerados há mais de um ano.

O rompimento desses entraves só poderá acontecer, com a construção elaborada de um campo de batalha ideológico; sendo este o melhor organismo para romper os grilhões e desenvolver a consciência de classe. Porém é preciso ressaltar que estes organismos por si só não oferecem garantias de sucesso, sem um braço forte de uma vanguarda revolucionária que garanta a caminhada do andor. 

Para resolver este último entrave, a aliança da associação com a LCP - liga dos camponeses pobres -, foi um grande avanço na construção da estrutura revolucionária Brasileira. O resultado desta aliança já pode ser visto com a conquista de estruturas para o distrito do Rio Pardo. Em reunião com a Eletrobras, a ação contundente da LIGA, foi fundamental para aterrorizar o representante do Estado Burgues, que se viu forçado a estabelecer prazo para o acendimento da luzes no distrito. Ainda com esse apoio, está encaminhada a resolução dos sem terra que foram despejados da Flôna Bom Futuro.

O caráter de uma organização que preserve seu norte revolucionário, é fundamental para a conquista da consciência tanto do proletariado como do campesinato. Essa gente simples, se apega como uma criança aos que acalentam seus sonhos de dignidade; conforme os ditames de sua consciência. Suas aspirações são justas, elas são uma exigência natural da necessidade substantiva. Elas nascem no córtex do inconsciente; mesmo do elemento deformado, corrompido pelas promessas amorosas dos ideias burgueses. é fruto da economia da natureza, que busca preservar a reprodução, que é principal organismo da vida. Porém, apedrejam sem quaisquer questão moral os lobos vestido de ovelhas que tentam desviar o rebanho do norte de suas necessidades. A ausência da moral revolucionária leva a qualquer vanguarda ao fogo do inferno. "Pois a morte de uma organização acontece quando os de baixo já não querem e os de cima já não podem". (lenin).