Escolhemos o caminho da luta ao da conciliação (vladimir llyitch uliánov lenin)

quinta-feira, 17 de junho de 2010

ALIEN VS. PREDADOR

   O Estado Brasileiro, é uma mescla de despotismo militar, e obstáculos burocráticos; apoiado por um parlamento engodado de corrupção e lascívia. Os elementos que compõem esse estado, possuem forte influência feudal. Uma burguesia segregadora, que sabiamente alterna seus representantes, na forma da conjuntura vigente. Acompanhando o ciclo dialético do movimento social, ela, em sua natureza inescrupulosa, no entanto cautelosa, não mede afinidades de laços ideológicos ou afins. Dispõe de seus representantes - ou gerentes se preferir - tanto da esquerda ou da direita conforme a conveniência.
   Ainda este ano, teremos no picadeiro do circo eleitoral, a oportunidade de nos tornarmos palhaços protagonistas. As opções são duas. Dilma Roussef, representando uma parcela das oligarquias burocráticas e industriais, -basicamente-. E o Sr. José Serra, representante da Oligarquia financeira e agrária - além de outras frações da burguesia - . Não sei qual dos dois é o mais perigoso. Fico a refletir e a olhar para o proletariado Brasileiro diante de um velho dilema. Em quem votar? Quem tem a resposta certa? Quem possui a verdade? Ora, a verdade não é absoluta. Volto as cenas de um filme que fez sucesso nas telas dos cinemas brasileiros. Alien Vs. Predador! Uma briga de gigantes. Imagino que Predador seja representado pelo Sr. José Serra. Seu partido simplesmente destruiu a estrutura do Estado Brasileiro. Jogou nas mãos da burguesia já bilionária, a riqueza construída a sangue e suor pelo proletariado. A Sra. Dilma, se enquadra melhor na figura do Alien. Esse personagem, como o nome já diz, é algo estranho ao meio. Assim foi o seu partido, o PT. Assumiu o poder estranho as atividades da burguesia vigente. Chegou com uma proposta revisionista e social democrática, não revolucionária. Resolveu então seguir as orientações do patronato, se enlameando num pântano de corrupção negociatas e vendilhismo. Deu continuidade ao processo de enriquecimento da burguesia nacional e internacional valorizando o capital. Como disse Josef Stalin, "Para não nos enganarmos em politica, é preciso sermos revolucionários e não reformistas".
    As vezes, por falta de opção, sou até simpático aos anarquistas, quando dizem: "Vote nulo, não sustente parasitas." Mais, como sou comunista, vou continuar construindo uma nova opção. Assim, resta ao proletariado escolher, ratificar com seu voto, no presente momento, um futuro representante desse capital internacional. Decidir qual será o seu algoz no fogo cruzado dos grandes titãs, entre Alien e Predador. Modesta parte eu prefiro um zé buchudo do pé bichado.